HomeSaúdePL 5.069: “Cunha, aborte a sua ignorância”

PL 5.069: “Cunha, aborte a sua ignorância”

eduardocunha

PL 5.069: “Cunha, aborte a sua ignorância”

Para: Presidente da Câmara Eduardo Cunha
De: Nathalia Ziemkiewicz
Assunto: Aborte a sua ignorância

Enquanto você defende o aumento dos salários dos deputados (cerca de R$ 27 mil), enquanto investigações indicam nove milhões em suas contas bancárias na Suíça, enquanto você gasta R$ 11 mil em domínios na internet (bizarrices como www.facebookjesus.com.br) e enquanto inventa projetos de lei como a PL 5.069… A CADA DOIS DIAS UMA BRASILEIRA POBRE MORRE EM DECORRÊNCIA DE UM ABORTO ILEGAL.

Não sei se você está a par dos dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), mas estima-se que MAIS DE UM MILHÃO de mulheres se submetam a ABORTOS CLANDESTINOS todos os anos no Brasil. A Pesquisa Nacional de Aborto (PNA) afirma que UMA EM CADA CINCO MULHERES entre 18 e 39 anos já interrompeu uma gravidez. É gente demais pra ser ignorada, não? Imagine quantas penitenciárias precisariam ser construídas para, como você defende, condená-las criminalmente.

Como você mesmo sabe, a legislação atual prevê apenas três exceções: se existir algum risco para a mãe, se for comprovado que o feto é anencéfalo (má formação cerebral), se a mulher tiver sido vítima de um estupro. Aliás, o projeto de sua autoria agora quer duvidar de um abuso sexual – a grávida só terá autorização para abortar após um exame de corpo de delito e um boletim de ocorrência (!!!). Então, se um cara botar uma arma na minha cabeça e eu não reagir por puro instinto de sobrevivência… não terei marcas de agressão física e, portanto, não posso abortar? Péra: ainda devo me submeter aos policiais mal preparados que vão desconfiar da minha saia “justa demais”? Serei duas vezes violentada?

Você ainda teve a ~brilhante ideia~ de desobrigar um agente de saúde ou farmacêutico a fornecer substâncias ou realizar procedimentos que induzam o aborto. Quer dizer, você vai deixar que a consciência deles decida se “hum, é pecado, não posso participar disso”. Como o texto é genérico, se eu chegar na farmácia e pedir uma pílula do dia seguinte, o funcionário pode simplesmente se negar a me vender? Cunha, quem deu fui eu, não você! O útero é meu, o corpo é meu, a vida é minha. A sua opinião (e a de qualquer um) não tem NADA A VER com uma decisão pessoal, íntima, sofrida, intransferível.

Ninguém aborta como se estivesse fazendo algo banal, do tipo “ah, vou ali tirar um feto da barriga e volto a tempo da janta”. É sempre o último recurso, sempre com angústia e dor. Situe-se, Cunha. Não seja ridículo de acreditar no estereótipo de que quem interrompe uma gravidez é “puta, promíscua, dá pra qualquer um”. A Pesquisa Nacional de Aborto fez um levantamento do perfil dessas mulheres. A maioria delas são mães de família. Poderia ser sua funcionária, sua prima, sua vizinha.

A criminalização que você sugere faz um recorte cruel porque continua levando as mulheres pobres para verdadeiros açougues. Aquelas que não dispõem de R$ 3.500 em dinheiro para ter direito a um procedimento numa sala limpinha, com médico e anestesista. A maioria se vira como pode: enfia remédios e agulhas de crochê na vagina, recorre a conhecida de uma conhecida que resolve o problema sem luvas nem anestésico nem delicadeza nem higiene. São abortos inseguros em condições insalubres. Uma reportagem da revista TPM trouxe o seguinte número do Sistema Único de Saúde: em 2013, foram 205.855 internações decorrentes de abortos, sendo 154.391 por interrupção induzida. Você acha mesmo que proibir e punir as mulheres vai fazer com que elas deixem de abortar quando necessário? É como esperar que um filho não faça sexo só porque você disse a ele que “não idade pra essas coisas”. Alô, realidade!

E não me venha com esse papo de “Sim à vida”. Que maneira seletiva de bradar a favor da vida – mulher pode morrer, feto não. Os simpatizantes da PL 5.069 costumam ter um único argumento. Deus. E se o meu Deus não for o seu, e se eu quiser me entender com Deus lá em cima, e se eu sequer acreditar em Deus? Esse caralho de Estado não é laico, porra? Cunha, você se diz religioso mas é profundamente desumano. Desconhece o conceito de empatia, de vestir a pele do outro, de tentar sentir o que ele sente. Mune-se do divino e da autoridade para empunhar seu dedo no nariz alheio.

Ser contra a criminalização do aborto não é ser a favor do aborto no estilo “êêê, bora trepar sem proteção e descartar bebês”. É apenas reconhecer o óbvio: as mulheres vão continuar abortando, e vão fazer isso clandestinamente, sob o sério risco de acabarem enterradas ou enjauladas. Me preocupo especialmente com esse discurso de “proteger o feto” porque, no fundo, ele esconde o desejo de controlar e castrar a sexualidade feminina. É por isso que estarei hoje na manifestação da Avenida Paulista contra você e sua PL 5.069, gritando “meu corpo, minhas regras” e distribuindo vibradores de graça.

Aborte sua ignorância.

***LEIA MAIS:

– “Não é mulher pra casar”. Poxa, jura?

– Profissão: fiscal de cu alheio

– Rebatendo seis argumentos a favor da decisão “família é homem e mulher”

***SIGA O PIMENTARIA:

Facebook/napimentaria

Instagram @pimentaria

Twitter/napimentaria

Youtube/napimentaria

Compartilhar:
Comentários
  • Sou tua fã incondicional. Te acho o máximo. Esse Cunha tem que pegar a mala dele e ir embora. Arcaico, ignorante, bossal e todos os adjetivos piores que possam exiistir.Moro em Porto Alegre, mas se morasse em Sp estaria nessa manifestação com certeza. Grande abraço

    30 de outubro de 2015
  • Depois que descobri teu site, descobri que ainda existe inteligencia neste país.!!! Nós estamos fadados a meia duzia resolver o que fazer com nossas vidas, isso é absurdo!, Eu me laqueei ao 28 e não me arrependo!, o corpo é meu a vida é minha!, sofria horrores com anticoncepcional. Esses caras não querem o aborto porque sinceramente é o povo sem muita instrução que tem filhos as pencas, e eles querem isso mesmo, ai viram analfabetos e votam nesses caras por um bolsa família. è triste, mas é a realidade que este país está fadado. No mais eu concordo com cada vírgula que você escreveu. E esse país de laico não tem nada!, se vivemos numa democracia, prq eu sou obrigada a sair de casa pra votar?, e se não for ainda pago multa por isso!!!, tudo aqui ultimamente tá beirando o absurdo, mais que provado que são tudo ladrão e é o pobre que rouba uma galinha pra matar a fome que vai preso!. enfim…desculpe, teu texto veio a calhar. Eu ando revoltada com o que estamos vendo e nada está sendo de FATO feito. Sua fã.

    30 de outubro de 2015
  • Olá, parabéns pela carta. Gostaria de saber se ele respondeu… ou se foi enviada alguma resposta!

    1 de novembro de 2015
  • Nathalia.
    Passando pra agradecer a sua existência no mundo e na internet.
    Quando leio um texto como esse, escrito por você, eu sinto minha indignação sendo canalizada inteligentemente para uma ação proativa. Porque me enche de ideias potencialmente criativas.
    Obrigado por publicar suas catalisadoras opiniões.
    Abraços,
    Charles

    21 de dezembro de 2015
  • Hum, o que é mais que terrível é saber que um bandico desse não é condenado a nada: tem din din na Suiça e o escambal e daí? Dane-se eu! Dane-se todo mundo! Ele ta lindo e feliz! Será que não tem um jeito da gente do povo, botar pra fora um trem corrupto desse??

    5 de fevereiro de 2016

Deixe um comentário