HomeSaúdeMasturbação infantil: 10 fatos que nunca te contaram

Masturbação infantil: 10 fatos que nunca te contaram

masturbacaoinfantil2

Masturbação infantil: 10 fatos que nunca te contaram

*TEXTO: JULIETA JACOB, jornalista e educadora sexual do blog Erosdita, em colaboração especial para o Pimentaria.

Você aí que tem filho pequeno, presta atenção: você sabia que no ano de 1710 foi publicado um panfleto intitulado “Onanias, ou um hediondo pecado da autopolução”, que enumerava todas as ~terríveis~ conseqüências aos que se perderam por causa dessa prática ~abominável~? Você sabia também que no final do século XIX o tema da masturbação na infância tornou-se uma obsessão a ponto de se acreditar que uma dieta com pouco sal frearia o ~apetite sexual~ das crianças?

Agora dá até pra entender um pouco por que no tempo das nossas avós a metodologia antimasturbatória funcionava na base do “não toque aí! É feio uma menina fazer isso” ou ainda “não mexa nele! Se mexer, ele pode cair”.

Aí você lê tudo isso e pensa com alívio “Ufa, ainda bem que os tempos mudaram!”. Até que o seu filho(a) de três anos não para de se esfregar no bichinho de pelúcia. E você simplesmente não sabe o que fazer.

Ok, você ouviu falar que é saudável, disseram que é normal, natural, que faz parte do processo de descoberta do corpo e do desenvolvimento da sexualidade. Mas não tem jeito: não é todo mundo que junta “masturbação” e “criança” na mesma frase com tranquilidade. Por isso, aqui vão algumas informações úteis pra te ajudar a entender melhor a masturbação na infância e te ajudar na missão de educar os seus filhos:

1-      Crianças descobrem a masturbação de várias maneiras e em idades diferentes (de zero a 6 anos em média). Algumas jamais se masturbam. Antes dos 6 anos uma minoria considerável de meninos e meninas já se masturbam. À medida que vão crescendo, as crianças se masturbam cada vez mais até que, por volta dos 18 anos, a grande maioria dos rapazes (quase 100%) e pouco menos da metade das garotas dizem se masturbar.

2-     Meninos e meninas podem se masturbar de diversas formas: usando as mãos para tocar o corpo (mais óbvio), se esfregando contra um travesseiro, braço de cadeira, sofá, gangorra, brinquedo ou outro objeto (haja criatividade!). As meninas podem ainda apertar a vulva usando os músculos da perna.

3-     Apesar do nome “masturbação”, na infância essa prática não tem a conotação erótica que tem na adolescência e vida adulta. Para as crianças, é simplesmente gostoso como sentir cócegas, sem qualquer ligação com fantasias sexuais.

4-     Brincar com os genitais pode ser um recurso que a criança usa, quando está em um local especialmente estressante, para bloquear estímulos externos que ela sente como pesados demais para si mesma.

5-     À medida que a criança cresce (a partir dos 7 anos), a masturbação passa a ser uma escolha muito mais deliberada do que antes.

6-     A maneira como você reage à masturbação dirá a seus filhos o que significa o prazer sexual, o que o mundo pensa dele, e como, quando e se tal prazer deve ser buscado.

7-     Quando flagrar seu filho(a) se masturbando, a sua reação deve ajudar a criança a desenvolver uma atitude de aceitação em relação a si mesma e ao prazer que sente com seu corpo (portanto, jamais usar o famigerado “tire a mão daí!!” ou “isso é muito feio, entendeu?” ou ainda afastar a mão da criança). Mesmo se a masturbação for contra a sua religião, não faça a criança se sentir culpada. Nesse caso, a melhor saída é agir com franqueza e explicar sobre a razão de não concordar com a prática.

8-    Crianças de zero a dois anos ainda não assimilam muito bem regras sociais e de privacidade. Portanto, se achar que deve interromper a masturbação, basta distrair a criança com outra atividade. Ao fazer isso, preste atenção aos seus gestos e tom de voz. Se você sente certa tensão e incômodo em relação à masturbação, pode acabar transmitindo uma mensagem negativa de reprovação para a criança mesmo que não a repreenda diretamente.

9-     Crianças de três anos em diante já começam a compreender regras de privacidade. É importante limitar o local e o momento da masturbação, mas não o ato em si (exemplo: “É divertido poder sentir uma coisa gostosa assim, mas quero que faça isso quando estiver sozinho(a). Sensações especiais como essa pedem privacidade”).

10-  Há ocasiões em que a masturbação pode indicar um problema. A freqüência elevada pode ser um sinal, mas não necessariamente. Mais importante do que observar quantas vezes a criança se masturba por dia, é verificar o padrão dessa masturbação. O mais comum é que crianças se masturbem quando estão menos ativas, em descanso. Portanto, quando a criança se masturba na hora de brincar ou quando se espera que ela se envolva com outra atividade também interessante, pode ser um alerta de preocupação (ela pode estar atravessando ansiedades externas a serem investigadas sob uma ótica mais ampla).

*LEIA MAIS:

– “Minha filha de quatro anos se masturba. Como lidar?”

– De onde viemos? Como falar de sexo com crianças

– “Não faça sexo, você não tem idade pra isso” – o discurso equivocado dos pais

– Se não falta informação, por que os jovens ignoram a camisinha?

– Amor & Sexo em 17 GIFS engraçados

*SIGA PIMENTARIA:

– Facebook/napimentaria

– Instagram @pimentaria

– Twitter/napimentaria

– Youtube/napimentaria

Compartilhar:
Comentários
  • eu tenho 14 aos meu penes tem 13cm e um a guarotar disegue mel penes epigueno

    9 de janeiro de 2016
  • Épigeno mesmo, oce vai crecer e ai fica maiolhor. figa trangilo.

    13 de janeiro de 2016
  • Incredibel

    13 de janeiro de 2016
  • Como faz pra eu falar com a Nathalia? Tenho algumas dúvidas.tenho 17 anos

    28 de janeiro de 2016
  • é normal não sentir desejo,vontade de fazer sexo ou se masturbar,tenho mais de 50 anos e nunca fiz sexo ou me masturbei,não me faz falta,porque isso acontece?

    2 de abril de 2016
    • Miga, pelo pouco que sei do assunto você parece ser ASSEXUADA, da um google sobre o assunto e vê se você se identifica! Aproveita e lê sobre inúmeros assuntos de sexualidade, vai tirar muitas dúvidas. Espero ter ajudado amiga

      11 de junho de 2016
  • Bah! Na real, eu acho que uma pessoa que se presta a fazer comentarios como da Claudia, querem so chamar a atencao. Ate uma materia explicativa e motivo pra esse povo criticar. Materias sobre o corpo deveriam ser as mais elogiadas, concordando com elas ou nao. Afinal, ou se tem penis ou se tem vagina e informacao, nunca e demais. Valeu!

    6 de julho de 2016

Deixe um comentário