HomeHot - Contos EróticosNoite chuvosa com uma amiga

Noite chuvosa com uma amiga

contocobertor

Noite chuvosa com uma amiga

AUTORA: Amora

Conheci Luísa em um bar. Já era madrugada e a vi linda, com uma blusa soltinha de alças finas preta, uma minissaia jeans e uma sandália preta. Percebi quando ela se mexia que estava sem sutiã, o seios pequenos, mas muito sexy. Magrinha. Começamos a conversar, pois sua bolsa caiu no chão e eu a alcancei. A conversa fluiu bem, ela era inteligente e não falava alto ou chamava a atenção. A encontrei outras vezes, sem marcar, nesse mesmo bar e sempre conversávamos. Um dia trocamos nossos telefones e nos adicionamos em uma rede social. Ficamos amigas, começamos a sair. Alguns meses se passaram, já era inverno.

Uma noite de junho, chovia muito e tínhamos marcado de sair, mas mudamos de plano e jantamos em meu apartamento. Naquela noite ela estava extremamente sensual, não conseguia parar de olhar pra ela. Jantamos na sala, no tapete, várias almofadas e muito vinho. A chuva caía sem parar, e na sala apenas a luz do abajur e da televisão muda. Luísa era uma companhia agradável, ainda mais naquela noite chuvosa e fria. O frio aumentou, então peguei um cobertor pra nós, e quando vi já estávamos deitadas no chão dividindo o mesmo cobertor. Aquela proximidade me deixou excitada, ela perto de mim, nossos olhos fixos uma na outra… Não sabia se ela queria o mesmo que eu.

Comecei a mexer em seu cabelo longo, toquei em seu pescoço, passei a mão em seus braços e ela não demonstrava nenhuma contradição, parecia estar gostando. Começou a me tocar também, passou a mão em meu rosto, minha boca, e eu fechei os olhos e sorri demonstrando que queria mais. Abri os olhos, olhei nos olhos dela, cheguei bem perto de sua boca e então nos beijamos. O beijo veio assim, natural e delicioso. Lento, sem pressa, sentindo cada movimento das nossas línguas. Nos sentamos uma de frente pra outra e nos ajudamos a tirar a roupa, ficamos só de blusa e calcinha, pude ver pelo bico dos seios durinhos debaixo da blusa que Luísa já estava sem o sutiã. Deitamos novamente uma de frente pra outra e começamos a nos acariciar, o corpo todo, cada centímetro nos tocamos. Toques leves, mas com a pressão necessária. Deitei Luísa de barriga pra cima e por cima dela, comecei a beijar e lamber seu pescoço, muitos beijos na boca, mas dessa vez mais intensos, ofegantes, com gemidos.

Tirei sua blusa, toquei seu seios, agarrei com força e comecei a chupá-los. Enquanto a lambia olhava-a e não acreditava no que estava acontecendo, no que estava sentindo, no que estava fazendo. Ela tirou a minha blusa e tocava meus seios com vontade, eu em cima dela de olhos fechados apenas senti aquela sensação gostosa do toque das suas mãos. Minha excitação aumentou, sentia meu clitóris piscando, estava completamente molhada. Passei as mãos no corpo de Luísa, meus dedos foram descendo até chegar no meio das suas pernas e pude sentir ela molhada, ainda por cima da calcinha, fiz carinho. E com cuidado fui tirando sua calcinha. Tirei a minha também, nos encaixamos e começamos a roçar nossas bucetas. Que delícia! O prazer tomou conta de mim, eu gemia com vontade e ela também. Rebolava, dançava no meio das pernas dela ao som da chuva, do tapete, dos nossos gemidos. Mordia a boca, cerrava os punhos, o prazer era incontrolável.

Nos beijamos muito, beijos longos, cheio de desejo, ofegantes. Luísa me deita no chão, passa a mão em meu corpo e desce até minha buceta e coloca um dedo devagar, mas eu quero mais e digo: – Faz com dois. Forte. Ela atende, faz movimentos de vai e vem, mexe de vários jeitos. Por vezes cheguei a sair do chão tentando intensificar a sensação de prazer que estava sentindo. Tira os dedos e começa a acariciar meu clitóris. Passa o dedo do meio nele, passa os outros dedos nos lábios, mexe em toda a minha buceta com a mão dela. E eu gemendo muito. Quanto prazer. – Faz com a boca – eu disse. Ela se abaixa e começa a me chupar, chupa meu clitóris, lambeu minha buceta e com a língua endurecia enfiou lá dentro. Nossa, que sensação maravilhosa. Eu estava a ponto de gozar, então pedi pra ela chupar mais. Enquanto ela chupava eu ia sentido mais e mais prazer, meu clitóris durinho, minha buceta molhada… Nós ali… Não aguentei e gozei. Gemia alto com os olhos fechados, segurando o tapete, prendendo os pés.

Quando abri os olhos, ela me olhou e nos sentamos e nos beijamos, um beijo quente, molhado, forte, mexendo nossa cabeça pra todos os lados. A empurrei no chão e comecei a enfiar os dedos na buceta dela. Enfiei forte, fundo, dois dedos de uma vez só. Tocava sua barriga, seus seios com a outra mão. – Vou gozar – ela disse. Continuei a tocando e enfiando e olhando-a linda gozando, ficou mais molhada, senti seu gozo escorrendo em minha mão. Tirei os dedos dela e passei a mão lambuzada em meu corpo. Ela estava agitada, então acariciei de leve sua buceta, passei os dedos, passei a língua bem devagar, fui subindo a boca com leves beijos pelo seu corpo até chegar na boca dando beijos calmos. Nos deitamos uma do lado da outra, nos olhando e sorrindo. Depois disso muitos carinhos e vinho até pegarmos no sono debaixo das cobertas, mas aquecidas por aquela atmosfera do calor do nosso corpo que se espalhou por toda a sala, deixando os vidros da janela embaçados.

Compartilhar:
Comentários
  • Nossa, minha imaginação foi longe agora ….

    17 de setembro de 2015
  • Gozei só de imaginar.

    2 de fevereiro de 2016

Deixe um comentário