HomeDiversidadeMassacre em boate gay: Omar não apertou o gatilho sozinho

Massacre em boate gay: Omar não apertou o gatilho sozinho

gayorlando

Massacre em boate gay: Omar não apertou o gatilho sozinho

(Getty Images)

Um fuzil AR-15 e uma arma de pequeno porte. Na mira, os frequentadores de uma boate gay em Orlando, nos Estados Unidos. Omar Mateen, de 29 anos, matou (por enquanto) 50 pessoas e deixou outras 53 feridas na madrugada do último domingo. Durante o ataque ele ligou para o número de emergência 911 e jurou lealdade ao Estado Islâmico. Bastou para que o mundo se voltasse novamente contra o islamismo. Como se todos os seguidores da religião pregassem o ódio contra a comunidade gay. Ou como se esses radicais fossem os únicos a matar movidos pela LGBTfobia.

No Brasil, calcula-se que 318 gays tenham sido assassinados APENAS EM 2015 exclusivamente por sua orientação sexual – dado aquém da realidade se considerarmos a subnotificação desse tipo de crime. Digamos que um “Omar” realizou NESTE PAÍS, no ano passado, ao menos seis atentados (cada um deles com o mesmo número de vítimas fatais do recente massacre norte-americano). Agora veja que curioso: nenhuma dessas mortes em território brasileiro foi “reivindicada pelo Estado Islâmico”. Então quem apertou o gatilho? Quem contribuiu com a munição?

Aqueles amigos trocando piadinhas sobre “bichas” no churrasco. Aquele político que aparece na tv dizendo que “ter filho gay é falta de porrada” e recebe aplausos nas redes socias. Aquela senhora ofendida com o casal de mulheres andando de mãos dadas no shopping. Aquela mãe que formaliza reclamação no Conar porque não pôde proteger o filho da propaganda com dois namorados. Aquele vizinho que deserda o filho porque ele “escolheu a promiscuidade”. Aquele pastor que prega “cura” para quem quiser ser “normal”. A legislação seletiva, aquela que trata gays como cidadãos inferiores, negando-lhes o casamento, a adoção e a doação de sangue.

Omar morria de raiva ao ver homens se beijando, segundo depoimento de seu pai à imprensa. Quantos sentem a mesma coisa? E por que sentem, se não estão TE BEIJANDO? Como o amor entre duas pessoas do mesmo sexo pode causar desconforto e repulsa? Que deus é esse, seja lá qual for o seu deus, conivente com tamanha violência e mãos sujas de sangue? O caráter de alguém não é definido pelo uso que faz de seus genitais/orifícios ou para qual gênero se dirige seu afeto. Mas o caráter de alguém é, sim, definido pelos seus ódios e pela forma como os manifesta. Com que critérios estabelecemos nossos valores?

É corrupto, mas é hétero. É incompetente, mas é hétero. É espancador de esposa, mas é hétero. Enxotou o cachorro de casa, mas é hétero. Abandonou a mãe num asilo qualquer, mas é hétero. Passou sífilis pra namorada, mas é hétero. Em outras palavras, a sociedade diz o tempo todo: “Você pode ser um (a) tremendo (a) filhodaputa porque só mete pênis em vagina e ama pessoas do sexo oposto! ”. Aliás, você se lembra do dia em que acordou e pensou “a partir de hoje serei hétero”? Porque, assim, se é uma OPÇÃO você deve saber quando tomou essa decisão tão determinante pra sua vida. Foi uminsight a caminho da escola ou durante um banho rotineiro?

Parabéns pra você que comemorou o Dia dos Namorados postando fotos apaixonadas nas redes sociais sem medo de que seus colegas de trabalho te tratem diferente no dia seguinte. Parabéns pra você que beija quem ama no meio da rua sem pavor de tomar uma pauladas na cabeça. Parabéns pra você que não precisa engrossar a voz e conter o gestual no almoço de família pra não ser expulso de casa. Parabéns pra você que se vê representado nas cenas da novela e nas tendências da moda. Parabéns pra você cuja orientação sexual não é considerada CRIME em 76 países – dos quais 10 te submeteriam à PENA DE MORTE. 

***Este post foi originalmente publicado na coluna da Nath no Yahoo.

*SIGA PIMENTARIA:

– Facebook/napimentaria

– Instagram @pimentaria

– Twitter/napimentaria

– Youtube/napimentaria

Compartilhar:
Sem Comentários

Deixe um comentário