HomeDiversidade“Eu não quero ser mãe. O que há de errado nisso?”

“Eu não quero ser mãe. O que há de errado nisso?”

maternidadenao

“Eu não quero ser mãe. O que há de errado nisso?”

(Shutterstock)

“Demorei a admitir pra mim mesma: tenho 36 anos e não quero ser mãe. Nunca tive a certeza de tantas amigas que desde a adolescência sonhavam com um bebê nos braços. Claro que eu me sentia estranha, mas imaginava que o desejo da maternidade aparecia no tempo certo – talvez quando eu me casasse. Eu me casei, fomos felizes por alguns anos, até ele me cobrar um filho. Dei todas as desculpas que encontrei porque não sabia se era isso que eu queria pra minha vida. Primeiro disse que a nossa situação financeira não era adequada para bancarmos uma criança. Depois que eu pretendia crescer profissionalmente e não poderia pausar a carreira. Quando entendi que não ia rolar, sofri demais. Eu me sentia culpada. Acabamos nos divorciando. Adoro crianças, sou muito presente na vida dos meus sobrinhos e isso já me preenche. Toda hora as pessoas me perguntam quando virão os filhos porque ‘já tá ficando tarde’. Essa decisão não deveria ser só minha? Por que a vontade de ser mãe não é natural pra mim? O que há de errado nisso?”.

Não há nada de errado com você, querida. O erro está no que a sociedade espera e cobra das mulheres. Assim como nascer com uma vagina não determina que vamos nos identificar com o gênero feminino ou nos sentiremos atraídas por homens, nascer com um útero não significa que desejaremos “naturalmente” a maternidade. Nossos sonhos, convicções, dúvidas, decisões… não são ideias gestadas perto das trompas, mas no nosso cérebro – um órgão imensamente fértil também. Você integra o universo de 14% das brasileiras que não têm planos de engravidar, segundo uma pesquisa do IBGE. Aliás, os arranjos familiares de casais sem filhos (20%) vêm aumentando nas últimas décadas.

Durante séculos, o único valor atribuído à mulher era sua capacidade de reproduzir e cuidar da prole. Não só pra povoar o mundo, obedecendo os desígnios da igreja. Muito menos para “dar sentido à vida” e “deixar um legado”. A coisa era bem mais prática: mais mão de obra para ajudar na subsistência e na renda (entre as famílias pobres), a sorte de ter um filho homem (que receberia dote dos pais da noiva para se casar e aumentaria o patrimônio), repasse de herança e poderes (a exemplo do que rolava na monarquia, em que as crianças recebiam carinho e educação exclusivamente das empregadas). Em várias civilizações e momentos da História, se a esposa fosse infértil, o casamento poderia ser desfeito sem burocracia – “De que vale essa criatura incapaz de dar herdeiros ao seu homem? ”.

Não havia a opção da não-maternidade simplesmente porque não havia outro papel senão o de ser mãe. A Revolução Sexual dos anos 1960, a entrada feminina no mercado de trabalho, a chegada da pílula anticoncepcional… tudo isso deu várias (e inéditas) possibilidades de escolha às mulheres. Elas então podem trabalhar fora, investir nos estudos, ter independência financeira, morar sozinha, não ter um marido, fazer sexo sem engravidar, reivindicar o próprio prazer etc. A loucura é que tantas transformações importantíssimas não conseguiram alterar o que (ainda) se espera da mulher. Tipo “tudo bem você querer fazer isso e aquilo, desde que case e tenha filhos”. Oi? E continuam presenteando meninas com bonecas e casinhas e kits de cozinha.

Uma amiga não quer ser mãe porque se realiza plenamente na carreira, quer viajar o mundo todas as férias e não abre mão dessa liberdade. Outra está tranquila em seu relacionamento, ambos não sentem nenhum vazio existencial, contentam-se em ficar de vez em quando com sobrinhos aos finais de semana e devolvê-los na noite de domingo. A terceira até teve uma vontadezinha, mas não forte o suficiente para encarar uma produção independente, já que não namora nem é casada. A quarta amiga não tem qualquer afinidade ou empatia por crianças, não se vê trocando fraldas e participando ativamente da formação de um ser humano.

“Não sabem o que é essa felicidade transbordante”, “são egoístas”, “ainda vão se arrepender”. Você também já deve ter ouvido algo assim, não, leitora? Acontece que a sua decisão NÃO ESTÁ ABERTA A UMA DISCUSSÃO PÚBLICA. Ser ou não ser mãe é uma decisão individual e intransferível. Felicidade não se compara com uma régua. Ótimo que a sua vizinha “virou uma pessoa muito melhor depois da maternidade”. De verdade. Mas isso não impede que você se torne a cada dia uma pessoa melhor e mais feliz de trocentas outras formas. Que a sociedade pare de perguntar às mulheres sobre seus planos reprodutivos. Já seria um avanço se trocassem o “Quando vêm os filhos?” por “Você pretende ter filhos?”.

***Este post foi originalmente publicado na coluna da Nath no Yahoo.

*SIGA PIMENTARIA:

– Facebook/napimentaria

– Instagram @pimentaria

– Twitter/napimentaria

– Youtube/napimentaria

Compartilhar:
Comentários
  • É engraçado como o mundo machista fala pra você quando tem 12 ou 13 anos “e não me apareça de barriga em casa” só porque você menstruou a 1ª vez ou seus seios estão crescendo. E quando vocês está com quase 30 e não tem filhos todos falam: ah você só vai saber quando for mãe. Eu sempre odiei essas frases. A vida toda fazemos o que a sociedade determina. Sou casada e não tenho vontade de ser mãe e a minha família está me massacrando por isso, inclusive com chantagens tipo: vou morrer sem ver meu neto. Eu fico sem palavras frente a tanta hipocrisia. No fim das contas tudo que precisamos para derrubar essas ‘tradições’ ridículas é: cada um cuide da sua vida. Ser mãe deve algo ser natural, não forçado e exigido. Conheço mães de todas as idades que são felizes e também mães que atribuem toda sua infelicidade aos filhos. O importante é que as pessoas entendam que o conceito de felicidade é único e individual. E é possível ser feliz sim sem querer ter ou sem ter filhos.

    22 de julho de 2016
    • Eu também não tenho vontade de ter filhos. Conheço histórias alegres e tristes de maternidade, mas as tristes parecem ser em maior número. Só umas duas amigas minhas não lamentam a maternidade, as outras pessoas me deixam nervosas, eu fico com muita pena das crianças. Elas não têm culpa e são seres humanos MUITO FRÁGEIS. Se todos realmente tivessem a noção da fragilidade de uma criança, todos pensariam mil vezes antes de por um filho no Mundo e seria muito melhor a criação e formação de um ser humano.
      Quando alguém insinua filhos para mim, eu viro bem séria para pessoa e digo que não quero ter filhos. Quanto aos meus pais, eu já deixei bem claro que eu não quero filhos e eles respeitam a minha decisão, acho que ficaram meio tristes, mas compreenderam. Em minha própria família, há casos bem dramáticos de maternidade. Filhos crescem, filhos crescem… eles não são a vida toda aquela coisinha bonitinha e fofa para toda a vida.

      20 de agosto de 2016

Deixe um comentário