HomeSaúdeParafilia: fantasias e desejos sexuais fora do comum

Parafilia: fantasias e desejos sexuais fora do comum

parafilia

Parafilia: fantasias e desejos sexuais fora do comum

O que te excita? Tem gosto pra tudo, minha gente. Porque sexualidade é troço complexo. Em 2008, entrevistei uma garota de programa que não aceitava ser penetrada – o acordo era apenas realizar fetiches, digamos, bem inusitados de seus clientes. Fiquei passada-engomada ao saber que vários deles pediam que ela cagasse (literalmente) em seus corpos enquanto se masturbavam. Outros gostavam de se vestir de bebê e levar tapinhas na bunda. Alguns curtiam escolher agulhas imensas para que ela introduzisse na uretra – o buraquinho do pau por onde sai o xixi. Ainda tinha os que gozavam só de sentir a garota pisando com um salto alto finíssimo em suas costas.

Descobri na pós-graduação que, talvez, muitos desses clientes tivessem um transtorno sexual chamado parafilia. E isso inclui coisas ainda mais polêmicas, como ter tesão por anões, amputados, cadáveres, animais etc. As pessoas podem ser BEM criativas. Quase ninguém fala disso, portanto quem de fato sofre com a questão não sabe como (nem onde) pedir ajuda. Então resolvi entrevistar a psiquiatra e sexóloga Marina Zaneti, que coordena o Ambulatório de Parafilias e Transtornos de Preferência Sexual da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Eles atendem de graça quem precisa de avaliação ou tratamento.

“As parafilias são verdades maquiadas em nosso mundo, ainda moralista e cheio de pudores. No entanto, são parte integrante da mente humana, com séculos de histórias. Sendo a sexualidade reflexo do que somos e do que vivenciamos desde a infância, suas nuances não são meros detalhes e merecem muito de nossa atenção. É por isso que me fascina trabalhar nessa área”, afirma Marina.

PIMENTARIA – Antigamente, as pessoas usavam o termo “perversão sexual” para algumas práticas pouco convencionais. Hoje esse comportamento é conhecido como parafilia. O que é isso?

As perversões sexuais eram todas as práticas que não tinham como objetivo a geração de filhos, consideradas contrárias às “leis de Deus”. O termo parafilia é recente: para significa “outro” ou “fora de” e philia é definido como “amante”. Então pode ser traduzido como o amante de algo fora do normal. Resumindo em poucas palavras, é um interesse sexual atípico que se manifesta por fantasias sexuais, desejos e/ou comportamentos. Um exemplo muito conhecido é a pedofilia.

PIMENTARIA – Quais os tipos de parafilias mais comuns?

Os mais comuns são voyeurismo, sadismo, masoquismo, fetichismo, exibicionismo, frotteurismo e pedofilia.

Parafilias

Principais características

Exibicionismo

Exposição dos genitais (pênis, vagina, seios)

Fetichismo

Fixação por objetos durante ato sexual

Frotteurismo

Tocar ou esfregar-se em alguém no transporte público

Pedofilia

Foco sexual em crianças

Sadismo sexual

Prazer sexual em causar dor/ humilhar alguém

Masquismo sexual

Prazer sexual em receber dor/ sofrimento

Voyeurismo

Prazer exclusivo em observar a atividade sexual

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PIMENTARIA – Vários anúncios em classificados de jornal falam de “chuva dourada”/”chuva negra” para se referir ao sexo com xixi e cocô. Aliás, escatologia também está muito presente nos sites de pornografia. Isso também entra na categoria parafilia?

Sim, o ato de defecar ou urinar no parceiro (a)/ pelo parceiro (quem faz ou recebe) também é considerado parafilia.

PIMENTARIA – Como uma pessoa pode saber se o que ela curte é uma coisa “normal” ou uma “doença”?

O normal é o interesse sexual em seres humanos, adultos e vivos. Se fugir desse padrão, foge do “normal”. Mas nem toda parafilia é uma doença. Para merecer tratamento, deve ter duração de pelo menos 6 meses, sofrimento ou prejuízo para si ou para o outro (a) e deve ser uma forma exclusiva de satisfação sexual. Nesses casos damos o nome de transtorno parafílico.

PIMENTARIA – Só pra ilustrar: o famoso Christian Grey, personagem de “Cinquenta Tons de Cinza” que só consegue ter prazer na dominação sexual, deveria procurar ajuda?

Depende Nath. Apesar de Christian ter sadismo sexual, que é uma parafilia, parece não ter sofrimento, está de certa forma adaptado, estabelece contratos com suas parceiras (como fez com Anastasia) definindo as regras do jogo. Mas pode não ser sempre assim. Se em algum momento sentir a necessidade, deve procurar ajuda.

PIMENTARIA – Episódios assustadores de desconhecidos que se esfregam em mulheres dentro de ônibus e metrô tem sido cada vez mais manchete na imprensa. É o tal do “frotteurismo”, não é?

Sim, e é bem mais comum do que imaginamos. Quando alguém tem fantasias, desejos ou comportamentos sexuais relacionados à esfregar-se em pessoas no transporte público, seja ônibus ou metrô, então essa pessoa pode sofrer de frotteurismo.

PIMENTARIA – Talvez a mais polêmica das parafilias seja a pedofilia. O ser nasce com tesão por crianças? Ele consegue ou não controlar essa fixação? Tem cura?

Ainda não temos conhecimento suficiente para saber em que momento ocorre o “gatilho inicial” da pedofilia. Ela provavelmente surge da junção de vários fatores, sendo marcante a relação com as figuras de pai e mãe e as primeiras experiências sexuais. Geralmente os que têm empatia pelo outro, colocando-se no lugar de quem sofre um abuso sexual, conseguem se segurar e ficam apenas na fantasia – sem partir para o ato. A cura vai depender disso e do quanto o pedófilo se envolve no tratamento, com inúmeras possibilidades de desfechos. Quando extremamente positivo, o completo alívio do sofrimento. Por outro lado, o final trágico de perdas pessoais significativas ou anos de prisão por ter cometido um crime sexual.

PIMENTARIA – Qual o tratamento para os parafílicos? A quem eles devem recorrer?

Para saber se existe um problema é necessário a avaliação médica ou psicológica, pois pode existir associação à algum outro transtorno psiquiátrico, que deve ser descartado. Transtorno bipolar, esquizofrenia ou mesmo algum transtorno de personalidade. Cada caso é um caso e cada paciente necessita de abordagens específicas. O tratamento psicológico tem como meta novo direcionamento do comportamento sexual, com reforço dos estímulos sexuais normais, dos vínculos afetivos, além de uma oportunidade para fortalecimento de ego, melhorando a auto-estima (muitas vezes baixa) e acolhimento. As medicações visam redução da libido e do impulso sexual, com antidepressivos (como paroxetina, fluoxetina, sertralina, dentre outros) e antipsicóticos (risperidona, olanzapina), usados separados ou em combinação. Em alguns países existe a opção do tratamento hormonal, a conhecida “castração química”, mas no Brasil este uso não é aprovado. Estudos mostram que a união das duas abordagens, tanto medicamentosa quanto psicoterapêutica, levam a melhores resultados em curto e longo prazo.

>>> Se você se identificou com alguma dessas parafilias ou conhece alguém que se encaixe nesses perfis, agende uma consulta gratuita no ambulatório da UNIFESP através do email: dramarinazaneti@yahoo.com.br.

***LEIA MAIS:

– Vaginismo e as mulheres que não conseguem ser penetradas – às vezes, nem por um cotonete

– “Gozo só de ler contos eróticos. Não é estranho?”

– Pau que nasce torto nunca se endireita?

– Squirt ou ejaculação feminina: o orgasmo esguichado

– Ejaculação precoce: quando o cara queima a largada

***SIGA PIMENTARIA:

Facebook/napimentaria

Instagram @pimentaria

Twitter/napimentaria

Youtube/napimentaria

Compartilhar:
Comentários
  • Ótima reportagem Nath, parabéns! Esclarecedora e técnica na medida! utilidade pública total! Aplaudo de pé o seu trabalho, viu! Sou fã mesmo! bjos

    29 de setembro de 2015
  • Meu filho tem 13 anos eu penis dele tem 13 cm e normal

    30 de setembro de 2015
  • Morro de vontade de fazer psicologia,e me tornar sexóloga,sou fascinada pela história do sexo,que apesar de vivermos numa sociedade careta, o mundo já foi um lugar bem pior,adoro as ideias do Kinsey ,e da nossa grande sexóloga brasileira Regina Navarro,mas acho que não tenho “estômago” para lidar com o lado doentio do sexo,pq os sexólogos não lidam só com problemas leves de casais,os sexólogos tem que lidar com assuntos pesados,definitivamente eu n conseguiria lidar com isso,e tão falar sobre sexo,vai ficar mesmo para os assuntos de mesinha de bar,e no bate papo com as amigas…

    3 de outubro de 2015
  • Eu tenho 17 anos e meu pau tem 18 cetimetros e normal?

    15 de outubro de 2015
  • legal

    19 de outubro de 2015
  • Amei esse cantinho ! Cai de paraquedas por aqui . Adorei Nathy , Parabéns ! ♡

    2 de novembro de 2015

Deixe um comentário