HomeSaúdeEstudo liga depilação íntima a maior incidência de DSTs

Estudo liga depilação íntima a maior incidência de DSTs

estudodepilacao

Estudo liga depilação íntima a maior incidência de DSTs

(Getty Images)

Quem sofre com a preguiça de depilar a virilha agora tem um motivo a mais para deixar a própria mata em paz: um estudo acaba de revelar que formas de depilação íntima (como aparar os pelos ou removê-los com cera ou lâminas de barbear) estão relacionadas a maiores riscos de adquirir doenças sexualmente transmissíveis.

Conduzida pela Universidade da Califórnia, a pesquisa ouviu 7.580 americanos com idade entre 18 e 65 anos e concluiu que pessoas que depilam frequentemente seus pelos púbicos são de três a quatro vezes mais propensas a contrair doenças como herpes, HPV ou até mesmo sífilis.

Nas entrevistas, foram feitas perguntas sobre a preferências das pessoas quando o tema é depilação, os seus hábitos sexuais e históricos de doenças sexualmente transmissíveis. Quase três quartos dos participantes afirmaram que já depilaram ou apararam seus pelos púbicos ao menos uma vez. Dentre os adeptos da depilação, 17% foram classificados como “extremos”, ou seja, tiram todos os pelos ao menos 11 vezes por ano. Esse grupo mostrou ter quatro vezes mais riscos de contrair DSTs.

Causas e limitações

Ao serem questionados sobre possíveis causas para essa correlação entre depilação íntima e contágio de DSTs, os pesquisadores especulam que o motivo pode ser as microfissuras na pele causadas pela depilação, que funcionariam como porta de entrada para infecções. No entanto, os acadêmicos não descartam a possibilidade de pessoas que se depilam com mais frequência terem uma vida sexual ~mais agitada~ e mais propensa ao contágio de DSTs.

Embora o estudo ofereça um interessante panorama do momento atual quando o tema é doenças sexualmente transmissíveis, ele tem limitações. A primeira é a de não investigar se a pessoa contraiu a doença antes ou depois de começar a se depilar, o que compromete as relações de causa e efeito. Além disso, o levantamento falhou ao não questionar os hábitos dos participantes sobre a prática de sexo seguro.

Por via das dúvidas, é bom esperar qualquer ferida ou irritação causada pela depilação sarar antes de fazer sexo. E não abrir mão da camisinha, independente do visual das suas partes privadas.

***Este post foi originalmente publicado na coluna da Nath no Yahoo.

*SIGA PIMENTARIA:

– Facebook/napimentaria

– Instagram @pimentaria

– Twitter/napimentaria

– Youtube/napimentaria

– Snapchat/nathpimentaria

Compartilhar:
Sem Comentários

Deixe um comentário