HomeSexoAle Kalko e as lamúrias de seu “Vibrador Mimimi”

Ale Kalko e as lamúrias de seu “Vibrador Mimimi”

vibradormimimi

Ale Kalko e as lamúrias de seu “Vibrador Mimimi”

Ale Kalko: a ilustradora que criou o Vibrador Mimimi

Ale Kalko: a ilustradora que criou o Vibrador Mimimi

Só pessoas geniais enxergam personalidade em objetos inanimados – e se divertem inventando enredos pra eles. Por isso pago um pau (desses grossos e veiudos) pra Ale Kalko, criadora do Vibrador Mimimi. Ela é designer, ilustradora, escritora e artista gráfica. Em 2008, inspirada por uma conversa entre amigos, rabiscou o primeiro cartoon: “Você escolheu o sexo solitário porque não queria mais problemas e depois descobriu que o seu Mr. Dildo era um sujeito carente, que queria mais da relação”. Nunca mais encarei meus vibradores da mesma forma. Mas ainda os desligo antes que me peçam pra deitar de conchinha. Gozado isso.

Então, como eu tava dizendo. O personagem ficou meio esquecido, enferrujando em alguma gaveta da imaginação da Ale. Até que, em 2011, ela foi morar em Nova York. Empolgada com as aulas de yoga, saiu para comprar um tapetinho novo perto de casa. Acabou distraída por uma vitrine fofa, achando que se tratava de uma loja de toy art. Sabia de nada, inocente. “Eram toys, mas bem, ahmmm, toys para mulheres”, conta. Desistiu de investir no tapetinho e saiu de lá com um modelo à prova d’água, recarregável na tomada e com memória. “Pensei: tem horas que uma mulher precisa muito mais de um ‘OH!’ do que um ‘OHM!’”. Comecei a rir e a imaginar meu vibrador antigo, tosquinho, com pilhas, sofrendo de ciúmes e se afogando nas memórias do passado.” E assim a série fluiu com uma ironia trepidante (clique nas imagens para ampliá-las). Saca a letrinha tremida <3

Em suas palavras, o Vibrador Mimimi é carente, apaixonado, quer atenção, reconhecimento do status de relacionamento no facebook, casar e ter filhos. Enfrenta as dificuldades de realizar atividades cotidianas enquanto não para de vibrar ou quando suas pilhas acabam. As primeiras lamúrias foram publicadas no Instagram. Logo estamparam, mensalmente, as páginas da revista NOVA. Hoje a Ale divulga (e vende) sua produção pessoal no próprio site e no facebook – a loja virtual sai no ano que vem. Tomara que a bateria dela nunca acabe: o mundo precisa de gente que consegue fazer graça com coisas tão triviais.

*LEIA MAIS:

– “Quero comprar meu primeiro vibrador. Me ajuda?”

– A invenção do vibrador – ou somos todas histéricas

– Vagina: “Pau, precisamos conversar”

– Masturbação feminina ainda é tabu? Ah, se toca

– Turbinaram o dedo de moça

– Você tem intimidade com a sua vagina?

>>> Compre seu vibrador aqui e você contribui com um troquinho para o Pimentaria.

Compartilhar:
Comentários
  • Me perdoe a profunda (oops) ignorância sobre o assunto, mas sou vintage – e no meu tempo, vibrador era só um soldado que vivia a vida de caserna intensamente – mas, o que é um vibrador “com memória”?

    Um vibrador com memória, com o tempo não pode sofrer de Alzheimmer?

    []s
    O Carioca

    17 de dezembro de 2014
  • Obrigada, seguindo as tuas dicas eu comprei meu primeiro vibrador, já estava passando da hora . Obrigada,

    21 de abril de 2015

Deixe um comentário