“Quando vejo uma mulher gostosa de scarpin, sapatilha ou mesmo chinelo fico imaginando o cheiro”, diz C*, um carioca de 35 anos que trabalha no setor financeiro. Não é que ele torça o nariz diante da possibilidade de sentir um