Que porra é essa? 4 disfunções sexuais ligadas à ejaculação

Que porra é essa? 4 disfunções sexuais ligadas à ejaculação

Vamos conversar sobre o funcionamento da sua mangueira. O jato sai rápido demais, mal a torneira é acionada? Ou demora horrores, como se estivesse sem pressão suficiente? Pior:simplesmente não sai, parece que algo está entupido? Duvido que você saia por aí confessando pros amigos os seus problemas hidráulicos. Mas aposto que eles interferem tanto o seu desempenho quanto a sua satisfação na cama (e de quem estiver com você nela, claro). Nath-encanadora está aqui para explicar! Existem quatro disfunções sexuais ligadas à gozada: ejaculação precoce, ejaculação retardada, ejaculação retrógrada e anejaculação. Desliga o registro um minuto e vem comigo.

Infográfico: KMED

Infográfico: KMED

1. Ejaculação Precoce: mangueira solta

Um em cada quatro homens sofrerá da “falta do controle ejaculatório” em algum momento da vida. Significa que eles gozam ao menor estímulo ou logo após a penetração, sempre antes do tempo desejado – geralmente, menos de um minuto. As causas costumam ser emocionais: medo do desempenho, inexperiência, estresse. Camisinhas mais grossas, pomadas com lidocaína que anestesiam o pau e retardam ejaculação, técnicas como “start-stop” (parar o estímulo quando vem a vontade de ejacular) ou “squeeze” (apertar a base ou o freio do pênis) ajudam. Mas técnicas e medicamentos não curam o comportamento errado – a esmagadora maioria dos homens supera com terapia. Para ser diagnosticado, é preciso que isso aconteça com frequência e o homem não consiga satisfazer a parceira em pelo menos metade das transas. É fundamental procurar um urologista pra fazer exames e avaliar a situação (ele pode até receitar um antidepressivo para baixar o nível de ansiedade), além de trocar ideia com a(o) parceira(o) para receber apoio e compreensão.

2. Ejaculação Retardada: nó na magueira

É o oposto da ejaculação precoce. Incapacidade ou extrema dificuldade de ejacular no sexo. Penetra por cerca de 30 minutos sem sentir que conseguirá gozar, o que pode provocar dor na(o) parceira(o). Haja lubrificação, né? Duas razões comuns: habituar-se à masturbação “hardcore” com força excessiva nas mãos (a pressão da vagina é menor); prática frequente do “coito interrompido” (tirar pra gozar fora da vagina, com medo de engravidar a menina). Ou abuso de álcool e drogas, uso de antidepressivos etc. Afeta entre 2% e 5% dos homens adultos – número subestimado se a gente pensar que segurar a porra é sinônimo de virilidade e ser “bom de cama”. Quem tem ejaculação retardada está muito excitado e QUER gozar, mas simplesmente não consegue. As dicas básicas seriam se masturbar menos e de um jeito mais suave, além de usar um lubrificante térmico (desses que esquentam ou esfriam) para aumentar a sensibilidade do pau. Se o problema persistir por semanas, melhor correr pra um consultório médico e, se for o caso, para uma terapeuta.

3. Ejaculação Retrógrada: mangueira com defeito de fábrica

O líquido seminal (também conhecido como “porra”) faz o caminho inverso: em vez de ser disparado para fora do pau, ele acaba dentro da bexiga. Não provoca dor e a sensação de ejaculação é a mesma, só que não pinga uma gotinha sequer. Normalmente, depois do sexo, o homem faz um xixi com mais espuma – mostrando que existe ali algo mais do que urina. Existem diversas causas: diabetes, doenças neurológicas e degenrativas, traumas medulares, cirurgias de próstata ou abdominais. De acordo com a origem do problema, o urologista pode prescrever tratamento com medicamentos específicos.

4. Anejaculação: mangueira seca

É a ausência de ejaculação durante a gozada, chamado de “orgasmo seco”. Um estudo americano calcula que a disfunção atinja 5% da população masculina. O tratamento depende das causas encontradas – geralmente físicas. A culpa pode ser de alterações nas vesículas seminais (que produzem o jato), de sequelas de cirurgias na próstata ou mesmo de medicamentos. Então o cara não poderá ser pai? Se ele consegue produzir espermatozoides, existem técnicas para captá-los e fazer a fertilização assistida. Só um urologista pode investigar e dar o veredito.

>>> CONTEÚDO APOIADO PELOS LUBRIFICANTES K-MED.  CONFIRA A COLUNA DA NATH POR LÁ :)  

***LEIA MAIS:

– Pílula anticoncepcional e baixa libido

– Dor ou orgasmo no parto: o que você escolheria?

– “Ai” de dor, não de prazer

– Pau que nasce torto nunca se endireita?

***SIGA PIMENTARIA:

Facebook/napimentaria

Instagram @pimentaria

Twitter/napimentaria

Youtube/napimentaria

Compartilhe

4 comentários

  1. Paulo Avelino

    O Brasil inventou a comentarista de sexo infeliz.
    Explico: a blogueira de sexo modelo para mim era a estadunidense Joan Elizabeth Lloyd: uma cinquentona sem ideologias, bandeiras políticas, queixas da vida, nada. Lançava um tema. Lembro um mês: o tema era gozar entre os seios. Perguntou: homens – vocês já gozaram entre os seios de uma mulher?? Mulheres – algum homem já gozou entre seus seios? As pessoas respondiam, e a conversa esquentava.
    Absolutamente amoral – para Joan, pouco importava se a transa estava acontecendo porque se amavam ou porque ele a enganara dizendo que ia casar com ela sem intenção de fazê-lo. O que importava era a transa. E rolavam histórias ótimas, delas e do público.
    No Brasil inventaram-se essas jornalistas de sexo (?) : tensas, cheias de ideologias (não sei que raio que inventaram que sexo tem a ver com ideologias, feministas, comunistas, positivistas ou bonapartistas), e que nunca falam do que fazem (diferente da Joan, que dizia – não sou psicóloga, não sou sexóloga – sou uma mulher que fez de tudo).
    Antes tinha a Carol Patrocínio no Yahoo. E agora essa Nathália.
    As colunistas do sexo correto e melancólico.


    1. Post author

      Definitivamente você não conhece o meu trabalho, viu apenas as primeiras colunas do Yahoo. Faço resenhas de sex toys no Pimentaria, aliás, contando como foi a experiência com cada um dos produtos. Além disso, se você quer ler sobre sexo para ficar excitado, sugiro que entre em um dos tantos sites pornôs. Não trabalho com pornografia, não escrevo para ver paus endurecerem. Sou jornalista de formação, trabalhei anos em revistas escrevendo sobre comportamento e sexo. E passei dois anos estudando para ter pós em educação sexual – acho que tenho alguma propriedade para falar do assunto. Se o que você procura não é informação, mas algo pra alimentar suas fantasias, sugiro também que marque com uns amigos em mesas de bar 🙂

  2. Pingback: O maravilhoso mundo do anel peniano com vibro | Pimentaria

  3. Pingback: Ejaculação precoce: saiba se você tem e o que fazer | Pimentaria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *