Inteligência emocional: você tem?

Inteligência emocional: você tem?

Não sou uma pessoa fácil de conviver e, durante anos, achei que os outros andavam com uma bola de cristal a tiracolo para enxergar aquilo que eu estava sentindo. Não nego que estou mais para wasabi do que para docinho de coco. Semanas atrás, minha irmã veio jantar comigo, empolgadíssima: a empresa em que trabalhava havia contratado uma coach, alguém que otimizaria o trabalho dos funcionários depois de analisar suas características comportamentais. Mari disse que estava descobrindo muito sobre si, compreendendo melhor como agia e reagia a determinadas situações. E ela deu pra falar em siglas: “Nath, a gente brigou a vida toda porque eu sou ‘I’ e você é ‘E’…”.

Logo imaginei que “I” fosse “incrível” e “E” de “escrota”. Já tava preparando o safanão quando ela me sugeriu fazer um teste online para descobrir qual das 16 personalidades existentes me pertencia. São mais de 50 questões, todas em inglês. O resultado é de embasbacar! Tanta coisa fez sentido ao saber que sou uma “ENFP” – em linhas gerais: entusiasta, idealista, defensora de causas. O texto do site dá algumas pistas sobre quem você é, mas só o trabalho de um coach mesmo para que todas as informações sejam úteis no dia a dia.

> Leia mais: Sobre turbulências e máscaras de oxigênio

Eu só pensava nas patadas que dei no marido quando chegava em casa magoada com algo do trabalho, por exemplo. Hoje ele me vê emburrada e pergunta como tá a “barrinha de comida e de sono” (hahaha). Quantos relacionamentos estão em crise porque a gente é incapaz de SE perceber e manifestar isso para o outro? É a tal da inteligente emocional, malaguetada. Por isso, entrevistei a psicóloga e coach Monique Edelstein, a mesma que atendeu minha irmã – e, posso garantir, promoveu mudanças profundas nela.

– A gente cresce ouvindo que deve “tratar os outros como gostaria de ser tratado”. Isso funciona dentro de uma relação amorosa?
Não é bem assim. Eu tenho que tratar você como VOCÊ gosta de ser tratado. Somos seres sociais. A primeira necessidade do ser humano é ser aceito. Em algum momento, nós subjugamos a nossa natureza em prol do que o outro espera de nós. Por exemplo, usamos as roupas e as palavras que o outro usa, frequentamos os mesmos locais… Nos comportamos buscando identificação, buscando aceitação. O grande problema é que a gente não pergunta “o que você espera de mim?” – nem SE pergunta “será que eu tenho ou quero te dar o que você espera de mim?”.

– Me dá um exemplo prático do dia a dia?
As pessoas não jogam aberto na relação. Não dizem “me beija atrás da orelha porque é onde eu gosto”. Elas ficam insinuando a orelha e torcendo para o outro adivinhar o que querem!

– Verdade… Outra coisa: duas personalidade iguais, em geral, geram muitos conflitos. O ideal é encontrar alguém diferente de nós, que nos equilibre e complete?
Você se dá bem com quem você resolve que vai se dar bem. Não paramos para pensar. Simplesmente somos MAGNETIZADOS por pessoas. A personalidade doadora alguma hora vai cansar de doar e sentirá falta de receber. A questão é que ela fica doando na expectativa de que o outro perceba que aquilo é importante pra ela e retribua. Mas ela não verbaliza nem manifesta isso. O importante numa relação é perceber o que te falta e o que te sobra. E conseguir falar algo como “hoje eu até estou com vontade de fazer um jantar pra você, mas queria que você ficasse mexendo no meu pé aqui no sofá”.

– Ter consciência da própria personalidade ajuda a conviver com o outro?
Claro. A gente precisa prestar atenção no que está sentindo e ser corajoso o suficiente para manifestar para o outro. Não fomos educados a olhar para nós mesmos porque isso parece egoísta. Quando pegamos um avião, a comissária avisa que numa emergência você deve colocar a máscara de oxigênio em você para depois ajudar o outro. Por exemplo, quando você chega chateada do trabalho e sai xingando tudo. Se você tem consciência do que está sentindo e de como reage a essas sensações, pode dizer: “não tô legal porque deu problema no escritório, vou tomar um banho, preciso de dez minutos sozinha… não quero descontar em você, daqui a pouco a gente fica juntos”.

– Você ouve muito coisas do tipo “ela não entende o meu jeito”?
Muito. Todas as personalidades podem ser compatíveis, desde que as duas pessoas estejam dispostas a lidar com as diferenças. Certa vez, atendi um casal de pacientes bastante introvertidos. A situação que eles me trouxeram foi a seguinte… Ela entrou em casa falando que pediria um delivery de comida chinesa. Ele estava concentrado no jogo de futebol e disse, sem olhar pra ela, que era “junk food”. Ela suspirou e foi pra cozinha, chorando enquanto lavava a pilha de louça. Ele ouviu o choro dela, foi até lá surpreso e falou: “nossa, pode pedir o China in Box”. Ela contou que não estava chateada por causa daquilo, mas do trabalho. A besteira é que a gente não fala quando está frágil e precisando de um abraço! Percebo que falta conversa entre os casais.

– Dá pra “mudar a personalidade do outro”?
Por que você se apaixonou pela pessoa se quer mudá-la? Então, ele(a) é um projeto? Você pode até tentar mudar essa pessoa, mas a natureza dela vai gritar alguma hora… É aquela história do cara que se apaixona pela esposa porque ela andava de minissaia e esmalte vermelho, mas depois de casar não deixa que ela se comporte assim para não chamar a atenção de outros homens. Aí ela se transforma naquele trapo dentro de casa e ele deixa de gostar dela.

– Como a questão da personalidade reflete na vida sexual do casal?
Na manifestação do desejo, na forma como se toma a iniciativa que leva ao sexo. Mas aí também não é só personalidade, tem a questão cultural de a mulher ser coibida nesse sentido. Uma das queixas mais comuns entre os casais que atendo é “a gente trepa super bem, a gente só não conversa”. Ou seja, falta intimidade. Outra reclamação tem a ver com o espaço que as crianças ocupam na vida de um casal. Esquecem de se sexualizar e a vida fica toda focada nos filhos. É como se eles não tivessem mais o direito de sair para jantar e namorar durante a semana, fazer uma viagem sozinhos… Tem que ir com as crianças pra Disney e, para ficar mais barato, pega um quarto para os quatro, sabe?

Compartilhe

19 comentários

  1. Giovanna Bartho

    Acabei de fazer esse teste de personalidade, muito bom! sou ENTP, conhecida como advogado do diabo, não gostei muito disso mas tudo bem! hahaha

    Seu blog é ótimo! Beijos

  2. Larissa Veloso

    Eu fiz o teste e deu “ENFJ”, mas a descrição não tava batendo em nada. Aí dei uma olhada no INFJ e foi na mosca! Sou uma falsa extrovertida. =p

  3. Pingback: O homem perfeito pra você não é aquele que você está procurando | Pimentaria

  4. Tata

    Fiz o teste!!! E sou ESFP!

    Ri muito!!! rsrsrsrs Mas ainda tenho lá minhas dúvidas!!!! rsrsrsr

    Mas achei sensacional! Vou recomendar! 😉

  5. Pingback: Dia dos Namorados: por que eu não preciso de flores | Pimentaria

  6. Pingback: Por tudo que aprendi, obrigada aos homens do passado | Pimentaria

  7. Jorge

    Este artigo é um texto e tanto. Cheio de verdades que muitos de nós nunca parou para pensar a respeito.

    Afinal, o que leva homens e mulheres a fazer cu doce e não escancarar o jogo e falar abertamente entre si? Travas emocionais. Eu costumo dizer que – e mesmo aplicando isso na minha vida, não significa que a coisa saiu perfeita – uma relação é como uma decolagem de avião. Só se deveria juntar as escovas de dentes depois de fazer o check list. Coisa que poucos, creio, fazem. Se não estiver tudo checado, nem sigam em frente. Mesmo acreditando que ticaram todos os passos, ainda assim a chance de dar errado, se não abrem o jogo um para o outro, é imensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *